5 Passeios imperdíveis em ROMA

  1. Coliseu

Sem dúvidas a atração que mais me encantou em Roma foi o Coliseu, pois a sua magnitude impressiona o olhar e nos faz literalmente caminhar sobre a história, separe no mínimo meio dia para visitar o Coliseu.

História: o Coliseu foi construído por ordem do imperador Vespasiano e concluído, durante o governo de seu filho Tito, é um dos maiores monumentos da Roma Antiga. Este local era utilizado para grandes batalhas de gladiadores, animais e também o local em que cristãos foram lançados aos leões.

#Fica a dica: visitas guiadas possuem acesso a duas áreas restritas, uma chama de “entranhas” do Coliseu, onde os corpos dos combatentes eram carregados para fora da arena e a outra área fica no alto das ruínas, vale a pena.

IMG_0276

  1. Gelaterias

A Itália é conhecida como o local dos melhores gelatos do mundo, então quando na Itália aproveite e experimente muitos deles! Todos que provei eram ótimos, mas destaco a Gelateria Giolitti (próxima à Fontana di Trevi e ao Panteon), desde de 1900, é uma das mais antigas e famosas de Roma. Eu experimentei o gelato de limoncello – licor de  limão produzido originalmente no Sul da Itália – e de champanhe.

Endereço: Via degli Uffici del Vicario, 40, 00186 Roma, Itália

IMG_0298

  1. Fonte de Trevi (Fontana di Trevi)

Fontana de Trevi é “só uma fonte”, mas ao conhecê-la pessoalmente você entende o porquê de ser tão famosa e visitada, quando você ouve o barulho da água ao se aproximar da fonte dá uma sensação especial, além do mais o tamanho do monumento espanta. Você precisa visitá-la durante o dia e pela noite, pois a iluminação faz com que ela fique ainda mais especial. Ao visitar a fonte não deixe de jogar uma moeda com a mão direita por cima do ombro esquerdo, diz a lenda que assim você retornará a Roma!

#Fica a dica: para fotos sem um milhão de pessoas aparecendo vá cedo, por volta de 8h/8h30 a fonte será praticamente sua e renderá lindas fotos, mas não deixe de ir a noite também, mesmo com muitos turistas a fonte é linda.

IMG_0313

  1. Fórum Romano

O Fórum Romano fica bem próximo do Coliseu, se você for cedo ao Coliseu e caminhar “rapidamente” pelo Fórum Romano é possível fazer os dois no mesmo dia, mas se você gosta de parar admirar, bater muitas fotos e ouvir a história de cada pedacinho reserve pelo menos um dia inteiro.

O Fórum Romano está situado entre as colinas do Palatino e do Capitólio, é uma praça circundada por ruínas de diversas construções públicas de grande importância cultural, as questões políticas, econômicas, religiosas e administrativas eram ali sanadas.

#Fica a dica: no local há opção de áudio guia em português de Portugal, a grande vantagem é ter informações para entender a história das ruínas.

IMG_0222

  1. Panteon

O Panteon, erguido há mais de 1.800 anos, foi construído para ser um templo pagão, sendo posteriormente convertido em Igreja Católica, possuí uma das estruturas mais bem conservadas de toda à Roma Antiga. A imensa abertura circular no teto permite a passagem de luz natural, iluminando o interior do prédio e criando um espetáculo aos olhos.

#Fica a dica: a entrada é gratuita.

IMG_0412

 

Jericoacoara – CE

Jericoacoara foi eleita a quarta praia mais bonita do mundo pelo jornal americano Huffington Post em 2014, incrível né?

A praia está localizada no Ceará e fica a 315km de Fortaleza, este percurso pode ser feito de ônibus, vans, carro 4×4 ou helicóptero #praquempode

Dica: acabamos comprando antecipadamente a passagem de ônibus, pois todas as cotações para ir de carro ficavam caro, mas logo no desembarque do aeroporto tem pessoas oferecendo o transporte fortaleza-jeri por vans compartilhadas, o preço era bem ok, praticamente o mesmo de ônibus, mas com certeza muito mais rápido, porque o ônibus faz muitas paradas.

Jeri é o tipo de destino para efetivamente relaxar e comer bem, possui basicamente dois passeios: o litoral leste e o oeste. O passeio para o leste inclui os principais pontos turísticos do Parque Nacional de Jericoacoara (Pedra Furada, Árvore da Preguiça, Praia do Preá, Lagoa Azul e a famosa Lagoa do Paraíso), o caminho é feito dentro Parque Nacional em meio as dunas, dura aproximadamente 6 horas Já o passeio para o litoral oeste passa pelo mangue seco, onde você pode optar por fazer um pequeno trajeto de canoa para ver os cavalos marinhos, depois é feita a travessia do rio Guriú  por balsa sentido a Velha Tatajuba, uma vila antiga que foi soterrada pelas dunas e pela Nova Tatajuba, povoado novo que tem uma exuberante vista do mar. Por fim, vem a duna do funil, onde é possível praticar esquibunda e sandboard, terminando o passeio no Lago da Torta, onde há uma barraca para comer e beber.

Todos os dois passeios podem ser realizados de buggy ou quadriciclo, recomendamos o último!

O final da tarde é na Duna do Pôr do Sol, no canto esquerdo da praia de Jericoacoara, pertinho do famoso hotel Essenza, é engraçado a romaria que se forma em direção a este local, o pôr de sol é lindo mesmo, pois o sol se põe no mar, o único detalhe é que por causa do vento – constante em Jeri – você sai de lá com área por tudo, mas vale a pena!

Outro programa muito legal para fim de tarde é um passeio de cavalo pelas dunas.

Durante a noite é hora de ir ao centrinho de Jeri, muito charmoso com vários restaurantes e lojinhas, tudo isso pé na areia e sem iluminação pública, muito aconchegante.

Ilha do Mel -PR

A ilha está localizada na Baia de Paranaguá, no Estado do Paraná, aproximadamente a 100km de Curitiba até os dois locais de saída de barco.

Para chegar à Ilha do Mel é necessário fazer o transporte de barco pela cidade Pontal do Sul (30 min) ou Paranaguá (1h30).

Nós optamos por Pontal do Sul e deixamos o carro estacionado ao lado do local de embarque (R$20,00 a diária), o valor do transporte foi de R$19,50 por pessoa. O trajeto foi bem tranquilo, mas com bastante vento.

Importante atentar-se que a Ilha do Mel tem dois destinos: Encantadas e Nova Brasília, nós ficamos nesta última parte, que dizem ser mais bonita e limpa, mas não conhecemos o outro lado (Encantadas) para saber se essas afirmações são verdadeiras

Logo que atracamos em Brasília fomos para a pousada Treze Luas, tivemos que andar uns 15 min. até chegar lá, pois embora a pousada seja afastada do píer, fica bem pertinho de duas praias de surf – e marido surfista já sabem né.

Se você for daqueles que não consegue economizar na bagagem tem um serviço que leva a mala até a pousada (R$40,00).

Após deixar as coisas na pousada, almoçamos na Pousada/Restaurante Astral da Ilha (que fica bem em frente à Pousada Treze Luas), pratos bem servidos, nos arrependemos de pedir um para cada e atendimento bom.

Enquanto o marido surfou aproveitei para fazer uma massagem deliciosa na nossa pousada mesmo, indico!

A noite jantamos na Pousada/Restaurante Bee House, dividimos um prato de peixe e camarão e pedimos uma das minhas sobremesas prediletas, torta banoffee.

A noite fomos na Pousada/Restaurante Astral da Ilha, onde estava rolando música ao vivo.

Já no dia seguinte, aproveitamos um super café da manhã na nossa pousada e alugamos bicicletas na pousada mesmo (valor de R$20,00 a hora ou R$60,00 o dia) para conhecer a Fortaleza Nossa Senhora dos Prazeres, que é um local histórico muito lindo, vale a pena enfrentar os chamados “mutucas” do caminho passando muito repelente, pois a vista é incrível. Além disso, tem uma trilha para os canhões bem íngreme, mas que é impressionante.

Demoramos no todo umas duas horas para fazer esse trajeto ida e volta, depois aproveitamos a praia do Farol pertinho da Pousada. Neste dia almoçamos no Bar e Restaurante Barranco, que possui pratos individuais com um preço bem justo e no dia que fomos ainda tinha um peixe por R$20,00 com acompanhamentos: salada, arroz, feijão e fritas.

Jantamos novamente na Pousada/Restaurante Astral da Ilha e aproveitamos a noite na pousada colocando um pouco o trabalho em dia.

No último dia acordamos bem cedo e embora o café da manhã seja das 8h as 10h, a pousada fez a gentileza de servir um mini café antes de partimos. Como o primeiro barco saia somente as 8h, pegamos um táxi náutico (R$100,00) umas 6h30 e em 10 minutinhos já estávamos no Continente de novo rumo ao nosso lar e ao trabalho que nos esperava…

DICAS:

 – Não leve muita bagagem, na Ilha do Mel o que você vai mais usar é chinelo, tênis e no máximo uma sapatilha, salto nem pensar.

– Leve repelente

– No mais, vá para curtir a natureza e relaxar.

ROTEIRO DE 10 DIAS EM FERNANDO DE NORONHA

 

Lugar indescritível, desejo de muitos e ao alcance daqueles que se planejam, Fernando de Noronha/PE é apaixonante.

1º Dia

Existem poucos voos diários para Fernando de Noronha, possivelmente você chegará com pelo menos meio dia “perdido”, restando apreciar o primeiro pôr do sol. Nosso avião pousou por volta de 15h30, utilizamos o transfer oferecido pela Pousada, trocamos de roupa e decidimos aproveitar o entardecer no conhecido Bar do Cachorro, na Vila dos Remédios.

A grande maioria das pousadas localizam-se na Vila dos Remédios, Vila do Trinta e Floresta Nova, possibilitando ir a pé ao Bar do Cachorro. Ambiente ok, atendimento razoável, música ao vivo com saxofone belíssima e entardecer inesquecível.

Optamos por comer somente petiscos no Bar do Cachorro e jantar no Cacimba Bistrô, também na Vila dos Remédios. Este restaurante surpreendeu em todos os aspectos, o atendimento foi muito bom, a comida saborosíssima e o próprio chef Auricélio Romão respondeu a diversas curiosidades sobre a ilha.

Neste dia também realizamos a retirada do cartão do Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha, que já havíamos adquirido pela internet (http://www.parnanoronha.com.br), o qual dá acesso à Praia do Sancho, Baía dos Porcos, Praia da Atalaia, Baía dos Golfinhos, Baía Sueste, Praia do Leão, ou seja, para se locomover na ilha você vai precisar deste cartão. Você pode retirá-lo em três pontos, nós retiramos no Quiosque da praça Flamboyant, que fica aberto diariamente das 8h às 22h.

1.JPG

2º Dia

Sempre que conhecemos um lugar novo gostamos de no primeiro dia – inteiro – fazer um city tour ou algo do gênero para no situarmos nas direções e localizações.  Em nossa primeira vez no paraíso optamos por fazer o ilha-tour e adoramos.

Como estávamos em dois casais fechamos um ilha-tour privativo, o que foi ótimo pois possibilitou fazermos tudo no nosso ritmo. O guia nos pegou às 9h e nosso primeira parada foi na Praia do Sancho, eleita a mais bonita do mundo por duas vezes, realmente merece o título. Aproveitamos para bater muitas fotos nos mirantes com o cabelo ainda seco, pois logo descemos a escada que dá acesso à praia e realizamos o primeiro snorkel em Noronha, ali já foi possível visualizar muitos peixes coloridos e tartarugas.   

2.JPG

Depois de uma hora mais ou menos saímos da Praia do Sancho e fomos à Baía Sueste onde novamente fizemos snorkel, é necessário o uso de colete salva-vidas que pode ser alugado (R$6,00 – agosto/2016) no local. Ali avistamos dois tubarões, diversas tartarugas e muitos peixes.

Após, fomos ao Mirante do Leão, Buraco da Raquel, Museu do Tubarão, onde é possível fazer diversas fotos divertidas com as esculturas que lá se encontram e na Capela de São Pedro, próxima ao Porto de Santo Antônio.

 

Principais pontos de Fernando de Noronha desvendados, almoçamos em local indicado pelo guia, Restaurante Delícias da Ná, a comida estava ok e o ambiente rústico bonito, contudo, nos decepcionamos por ser ao lado da nossa pousada. Penso que poderíamos ter ido a um local de frente para o mar e de mais difícil acesso, aproveitando que neste dia estávamos com o buggy do guia. A próxima parada foi a Praia da Cacimba do Padre, local de grandes ondas para o surf de dezembro à março, como era agosto o mar estava uma grande piscina. No canto esquerdo, de frente para o mar, da Praia da Cacimba do Padre tem uma pequena trilha que dá acesso à Baía dos Porcos, lá fizemos mais snorkel e avistamos uma linda raia.

O pôr do sol seria no Forte do Boldró, mas acabamos nos sentando nas pedras da trilha entre a Baía dos Porcos e a Praia da Cacimba do Padre, e assistimos a um belíssimo pôr do sol com vista para o cartão postal Morro Dois Irmãos.

O Projeto Tamar em Fernando de Noronha realiza palestras no Centro de Visitantes todos as noites às 20:00, fomos assistir a palestra sobre Tubarões, mesmo cansados o palestrante conseguiu prender nossa atenção por 1h, pois além do assunto ser interessante tudo é falado e mostrado de uma forma bem dinâmica.

Exaustos, jantamos na Pizzaria na Moita que se localiza na Vila do Trinta, bem próxima à pousada em que nos hospedamos, pizza com massa bem fina, recheio de qualidade, local agradável e atendimento bom.

3º Dia

Somos mergulhadores credenciados OPEN WATER DIVER e sem dúvida se Noronha é linda fora da água é nas profundezas do mar que um novo mundo surge. No terceiro dia optamos por realizar nosso primeiro mergulho com a Sea Paradise e foi lindo, pudemos avistar uma moréia-verde, polvo, tartarugas, peixes de todos os tamanhos e cores.

5.JPG

4.JPG

Se você não é credenciado, não há melhor oportunidade para realizar o batismo, o casal que nos acompanhou fez com a Sea Paradise e adorou, não vá embora de Noronha sem realizar ao menos um mergulho de cilindro.

Almoçamos na barraca da Tia Regina, na Praia do Porto, o local é desses pé na areia e simples, muito barato comparado ao preço de Noronha e a comida é muita boa mesmo, o único porém é o atendimento realizado pela própria dona e irmã dessa. Vá ao local e não pergunte nada, atenha-se ao cardápio e tudo ficará bem.

Passamos o restante do dia na Praia do Porto fazendo snorkel, local riquíssimo em quantidade de peixes, pois possui dois naufrágios.

O local escolhido para o pôr do sol foi o Restaurante Mergulhão, o qual tem uma vista privilegiada para o a Praia do Porto, embora o local seja muito bonito o atendimento deixou a desejar, não voltaríamos.

6.JPG

4º Dia

Além da infinitude do mar azul, Noronha também é conhecida por belíssimas trilhas e paisagens. No quarto dia realizamos a Trilha do Abreus, a qual exige prévio agendamento na ICMBio, e tem horário de abertura e fechamento, atente-se a essas informações.

Como realizados essa trilha sem guia, pegamos um táxi da pousada até o início da trilha, depois que você está ali não tem erro, é só seguir as indicações e apreciar o belo caminho que dá vista para o “mar de fora”. Andamos aproximadamente uns vinte minutos, passando inclusive por um mini rapel até chegar as encantadoras piscinas naturais.

7.JPG

Almoçamos no restaurante Flamboyant, na Vila dos Remédios, que serve comida em buffet, sendo ótima opção para economizar e depois aproveitamos o restante do dia na Praia do Cachorro e da Conceição.

Novamente assistimos a palestra do Projeto Tamar, desta vez o tema era sobre a história de Fernando de Noronha e novamente fomos surpreendidos com muitas informações interessantes.

O jantar foi no Varandas, restaurante do Chef Auricélio Romão, que é tão maravilhoso quanto o outro. Embora neste dia o restaurante estivesse apresentando uma falha na energia, o gerente do local fez questão de nos atender. Local muito bem decorado, atendimento excelente, comida excepcional, recomendamos.

5º Dia

No quinto dia realizamos a trilha Atalaia Longa, também exige prévio agendamento na ICMBio e necessita de guia. A trilha se inicia na Vila do Trinta e termina próximo ao Museu do Tubarão e a Praia do Porto, possui quase 4km de percurso, duração de 4h aproximadamente – vai depender do ritmo do seu grupo –, e dá acesso a três piscinas naturais lindas. Esta trilha possui uma paisagem incrível – ouso dizer que foi o dia das fotos mais bonitas da viagem -, o final a trilha ocorre por cima de pedras vulcânicas o que requer uma disposição extra e muita atenção.

IMG_1789.JPG

IMG_1828.JPG

Após a trilha, paramos no Museu do Tubarão para repor as energias comendo um delicioso tubalhau – mistura de carne de tubarão com bacalhau –, não é nada espetacular, mas vale a pena a experiência.

IMG_1896.JPG

Almoçamos novamente na Barraca da Tia Regina e após acompanhamos a captura intencional de tartarugas que é realizada pelo Projeto Tamar as 2º e 5º feiras na Praia do Porto. A captura é realizada para marcação, acompanhamento e pesquisa desses animais.

IMG_1909.JPG

Como a noite choveu muito acabamos pedindo uma pizza na pousada mesmo.

6º Dia

Realizamos a Trilha Morro de São José, que é uma das ilhas secundárias que fazem parte do Arquipélago Fernando de Noronha, fica próxima à Ilha Rasa. Esta trilha também precisa de prévio agendamento na ICMBio e não precisa de guia, mas recomendamos ir com guia. O início é próximo da Praia do Porto, na ponta Air France, esta trilha é um pouco diferente das demais, porque ela ocorre essencialmente a nado, somente no início e final é necessário andar um pouco sobre pedras, o que a torna muito especial pois você vai nadando e vendo muitos peixes e tartarugas.

Consideramos a dificuldade desta trilha fácil, talvez se você não esteja habituado a nadar ache um pouco difícil, mas é possível usar colete salva vidas também. É é essencial utilizar nadadeiras, máscara e snorkel. Ao chegar no Morro São José andamos um pouco sobre pedras e então chegamos em uma piscina natural maravilhosa com fundo esverdeado e uma vista incrível, esta piscina só aparece na maré baixa por isso é importante você respeitar o horário do agendamento.

IMG_7008.JPG

Após a trilha, almoçamos no Restaurante Corveta, que fica na praça Flamboyant e durante a tarde realizamos mais um mergulho, dessa vez com a empresa Águas Claras, que é uma das maiores operadores de mergulho em Fernando de Noronha.

Neste dia, jantamos no restaurante Teju-Açu, o qual foi uma feliz surpresa, com cozinha molecular, surpreendeu a todos no sabor dos pratos, que são muito bem servidos.

IMG_1930.JPG

7º Dia

Reservamos este dia para um incrível passeio e almoço no Catamarã  Trovão dos Mares, a empresa busca na própria pousada e se dirige à Praia do Porto, da onde saem todos os barcos. O passeio se inicia às 9h e vai até 14h, com explicações sobre as praias e algumas formações rochosas, como a Pedra do Leão que faz um barulho parecido com o rugido do leão quando ocorre o choque entre a água e as pedras. É realizada uma parada na Baía do Sancho para mergulho e snorkel enquanto o almoço é preparado. Não estávamos esperando muita coisa do almoço, mas ele foi um dos melhores que tivemos nessa viagem, tudo muito fresco e saboroso.

IMG_2061.JPG

No retorno fizemos o famoso plana sub, que é basicamente uma pranchinha em que você é rebocado pelo barco, podendo afundar e retornar a superfície de acordo com a direção da prancha.

Neste dia, jantamos na Mesa da Ana, que é comandada pela Chef Ana – que estudou em Le Cordon Bleu em Paris – e pelo seu marido Rock, que é responsável por servir os pratos e entreter os 8 ou 10 privilegiados. Como eles recebem apenas poucas pessoas por noite é necessário realizar o agendamento com bastante antecedência, mas vale a pena. A experiência se torna única pois há apenas uma mesa que é compartilhada e fica no próprio quintal onde parte do que é servido é plantado e cultivado. Isso tudo torna o ambiente muito intimista e aconchegante, além do que o Rock que conta diversas histórias da ilha. A comida é excelente e exótica, vale outro post só sobre este jantar.

IMG_2222.JPG

8º Dia

Já nos últimos dias de viagens, resolvemos tomar café da manhã na famosa Pousada Zé Maria, já que optamos por não participar do festival gastronômico. Café da manhã delicioso, com direito a omelete e tapioca – inclusive de nutella – preparadas na hora e lugar também lindo, com muita natureza. Após passamos o dia de buenas na Praia Cacimba do Padre, onde realizamos snorkel até a Baía dos Porcos e curtimos um pouco o sol de Noronha. Almoçamos por lá mesmo um peixe feito na grelhado na folha de bananeira.

IMG_2234.JPG

No fim da tarde, realizamos o mergulho noturno com a empresa Águas Claras e foi uma experiência incrível, pensei que seria apavorante, mas nem foi tanto (kkk). A lanterna proporciona ver outras cores no fundo do mar, além é claro de ver animais com hábitos mais noturnos, em nosso mergulho vimos uma arraia bem grande, uma tartaruga gigante dormindo, um tubarão e alguns peixes. Além, é claro, de um céu estrelado.

Jantamos novamente no Restaurante Cacimba Bistrô e depois – mesmo mortos com farofa – curtimos a quinta do reggae no Muzenza.

9º Dia

Em nosso último dia inteiro em Fernando de Noronha, pela parte da manhã andamos pelo Centro Histórico que fica na Vila dos Remédios, a fim de bater fotos e conhecer o Forte.  O local é lindo pois conserva algumas construções antigas, a Igreja de Nossa Senhora dos Remédios foi construída em 1722 pelo portugueses, há também o Palácio de São Miguel, por sua vez, erguido em 1947 sobre as ruínas da antiga diretoria do presídio – Noronha já foi presídio –, bem como o Forte de Nossa Senhora dos Remédios, de 1937, que tem estratégica localização para defender a ilha.

img_2277

img_2304

Decidimos voltar no Restaurante Varandas para o almoço, pois a vista do local durante o dia é linda, e não nos arrependemos, atendimento muito bom e comida excelente.

img_2463

Pela tarde, para fechar a nossa estada no Paraíso de forma inesquecível, realizamos um passeio de lancha do Dipeto, com jantar e entardecer no mar. O passeio de inicia na Praia do Porto, já na praia do cachorro o Dipeto coloca uma isca no mar, e vai passando pelas praias do mar de dentro até a Praia do Sancho. Se você tiver sorte como nós algum peixe pegará a isca e você terá a oportunidade de jantar um peixe fresquinho. No passeio é possível fazer o planasub e em um momento alguns golfinhos nos acompanharam. Já no final, a lancha foi ancorada na Praia do Meio e lá o Dipeto preparou o nosso jantar, alguns peixes na brasa, uma saladinha e pães, jantar delicioso com um entardecer mais incrível ainda.

IMG_2499.JPG

IMG_2528.JPG

10º Dia

Último dia da ilha, decidimos assistir ao nascer do sol na Praia do Leão e depois passamos a manhã na Praia do Cachorro, pois ficava pertinho da nossa Pousada.

Infelizmente a hora de ir embora tem que chegar em algum momento, mas devo dizer se você ainda não foi a Noronha coloque na sua lista, você tem que conhecer esse Paraíso! Nós com certeza voltaremos. E, provavelmente, será na época de Surf!

IMG_2135.JPG

— ♥ —